O destaque do primeiro dia do Seminário Internacional “A Cidade Neoliberal na América Latina”, promoção do Observatório das Metrópoles e da Releatur, foi o lançamento do livro “Teorías sobre la ciudad en América Latina”, organizado por Blanca Ramírez Velázquez e Emilio Pradilla Cobos. A publicação reúne 18 textos de diversos pesquisadores que sintetiza o desenvolvimento da teoria urbana construída na América Latina, seus alcances e carências, a riqueza e originalidade destes planejamentos e sua capacidade explicativa na realidade da região.

A mesa de abertura do Seminário Internacional “A Cidade Neoliberal na América Latina”, na quarta-feira (06/11), contou com os professores Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro e Orlando dos Santos Júnior, do Observatório das Metrópoles (IPPUR/UFRJ), e Emílio Padilla Cobos e Blanca Ramirez Velasquez, da Universidade Autônoma Metropolitana Xochimilco/México. Os dois institutos dividem a coordenação colegiada da Rede Latino-americana de Pesquisadores sobre Teoria Urbana (Releatur), que tem como objetivo a construção de uma teoria urbana da América Latina, promovendo o intercâmbio de conhecimentos e o desenvolvimento de estudos comparados relacionados às grandes cidades da América Latina.

Para o professor Emilio Pradilla Cobos (UAM-X), o Iº Seminário Internacional mostra o esforço permanente da Releatur no desenvolvimento, integração e difusão de um pensamento teórico crítico que explique o urbano na América Latina, e isso “a partir de próprias realidades da região, suas generalidades e suas suas particularidades, tomando o que foi produzido no passado sobre a região, e mediante um debate aberto e respeitoso, plural, aplicando a ferramental da crítica aos modelos e teorias elaboradas para outras realidades e aplicadas sem critérios científicos a nossas”, explica.

Já para o coordenador do Observatório das Metrópoles, Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro, a construção de uma teoria urbana da América Latina passa por três atitudes possíveis: a primeira, política; a segunda é epistemológica e a terceira, teórica. “A atitude política significa empreender uma sociologia crítica da circulação internacional e assimétrica das ideias e dos ideais dos países do Norte para o Sul, com o objetivo de entender os mecanismos, instituições e processos pelos quais, no campo do planejamento urbano, os problemas de pesquisa, categorias e conceitos são exportados e absorvidos como naturalmente universais. Outra dimensão da atitude política é ter como referência um projeto utópico, pois não há teoria que não esteja dialogando, de maneira implícita ou explícita, com outro tipo de sociedade”, afirma.

Dentre os objetivos gerais da rede, merecem destaque a) incentivar a formação de um pensamento teórico crítico latino-americano sobre a problemática urbana da região – realidade com suas diferenças e contradições em relação ao pensamento hegemônico; b) incentivar a pesquisa, a docência e o intercâmbio de pesquisadores para a produção de trabalhos originais sobre teoria urbana; c) estabelecer relações de intercâmbio para formação do pensamento crítico sobre o tema em outras regiões do mundo; d) apoiar e promover a realização de investigações e teses de pós-graduação que façam abordagens comparativas dos problemas territoriais em diferentes países da América Latina; e e) promover a igualdade, a equidade e a reciprocidade dos intercâmbios científicos no campo da teoria urbana, com os chamados países hegemônicos.

Por uma teoria urbana na América Latina

A Mesa 1 “Abordagem conceitual em torno da cidade latino-americana e a estrutura neoliberal” contou com a participação de Alfonso Valenzuela (Universidade Autonoma Del Estado de Morelos/México) que abordou o tema “Por uma teoria urbana deslocalizada. Apontamentos sobre os três circuitos da economia espacial”. Em seguida Blanca Ramirez e Juana Martinez (Universidade Xochimilco/México) falaram sobre o tema “Movilidad e calidad de vida en el capitalismo contemporâneo: concepcion integral Del proceso”. Já Carla Narciso (Universidade Nacional Autónoma do México) falou sobre “Enfoques teóricos e usos políticos do conceito de espaço público face o neoliberalismo na cidade de Cuernavaca/México”.

O seminário contou ainda com a apresentação de Emilio Pradilla Cobos “La Ciudad capitalista en el patrón neoliberal de acumlación en América Latina”; e de Luiz Cesar Ribeiro com o tema “Metrópole e a crise do projeto Neo-liberal na América Latina: que papel? que caminhos?”.

Teorías sobre la ciudad en América Latina

No prefácio do livro “Teorías sobre La ciudad en América Latina”, Blanca Ramírez e Emilio Pradilla Cobos explicam que a publicação é um produto do Seminário “Encontro Internacional Teorías sobre La ciudad contemporánea en América Latina”, realizado na Universidade Autônoma Metropolitana, unidade Xochimilco (em outubro de 2011), organizado pelo grupo PROMEP “Território, tecnologia e meio ambiente”.

O livro,divido em dois volumes, é destinado a pesquisadores, em exercício ou em período de formação, estudantes de licenciatura e pós-graduação, já que sintetiza o desenvolvimento da teoria urbana construída na América Latina, seus alcances e carências, a riqueza e originalidade destes planejamentos e sua capacidade explicativa da realidade da região. Além disso, esboça tematicamente uma agenda para a pesquisa futura na região a fim de promover o debate sobre a produção latino-americana no campo da teoria urbana; e, sobretudo, impulsionar a continuidade do trabalho sobre a formação de uma teoria urbana que explique os problemas da América Latina de forma crítica, autônoma e independente das pressões homogenizadoras do pensamento único neoliberal e do colonialismo intelectual.

O livro está disponível para download, CLIQUE AQUI.