Voltar

Cooperação Internacional

O INCT Observatório das Metrópoles vem desenvolvendo projetos com várias universidades estrangeiras com o objetivo de internacionalizar o debate sobre a temática metropolitana, mostrando que para a gestão urbana das grandes cidades mundiais é fundamental elaborar políticas públicas integradas com foco no desenvolvimento sustentável e no bem-estar da população.

 

Projetos em destaque

O projeto “Regimes Urbanos e Cidadania” (2016-2019) foi desenvolvido pelo INCT Observatório das Metrópoles em parceria com o Departamento de Economia, Saúde e Ciências Sociais (DEASS) da University of Applied Sciences and Arts of Southern Switzerland (SUPSI) de Lugano, Suíça, com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPq) do lado brasileiro, em parceria com a Swiss National Science Foundation (SNSF) do lado suíço.

O projeto executou uma abordagem metodológica de pesquisa/intervenção, estimulada por duas dimensões.

Do lado da pesquisa, visou compreender os principais desafios da governança metropolitana e do planejamento urbano no Rio de Janeiro, como produto da sequência de eventos globais que tiveram palco na cidade. Nesse sentido, foi organizado o livro “The Legacy of Mega Events”, propondo uma leitura crítica e multidisciplinar sobre o legado dos megaeventos que aconteceram na cidade do Rio de Janeiro por uma década. Com previsão de lançamento para o último trimestre de 2020, uma versão digital do livro já pode ser encontrada no site da Editora Springer (editora que está realizando a produção da obra).

Pela dimensão de intervenção, o projeto testou um modelo de formação em cidadania para professores e alunos de ensino médio em uma escola da Zona Norte carioca, promovido pelo DEASS da SUPSI. Como produto desse processo nas escolas, o projeto realizou o vídeo-documental “Valeu”, como ferramenta para auxiliar no debate político da juventude carioca.

Em 2012, o Observatório das Metrópoles e a Universidade Autônoma Metropolitana do México coordenaram a criação da Rede Latino-americana de Pesquisa sobre Teoria Urbana (Relateur), com o objetivo de dar continuidade à proposta de incentivar a formação de um pensamento teórico-crítico latino-americano sobre a problemática urbana da região, promover o intercâmbio de conhecimentos e o desenvolvimento de estudos comparados relacionados às grandes cidades da América Latina. A rede conta com pesquisadores da Argentina, Colômbia, Equador e Venezuela.

Dentre os objetivos gerais da rede, merecem destaque a) incentivar a formação de um pensamento teórico crítico latino-americano sobre a problemática urbana da região – realidade com suas diferenças e contradições em relação ao pensamento hegemônico; b) incentivar a pesquisa, a docência e o intercâmbio de pesquisadores para a produção de trabalhos originais sobre teoria urbana; c) estabelecer relações de intercâmbio para formação do pensamento crítico sobre o tema em outras regiões do mundo; d) apoiar e promover a realização de investigações e teses de pós-graduação que façam abordagens comparativas dos problemas territoriais em diferentes países da América Latina; e e) promover a igualdade, a equidade e a reciprocidade dos intercâmbios científicos no campo da teoria urbana, com os chamados países hegemônicos.

Desde 2013, a Relateur promove seminários internacionais que contam com a participação do Observatório das Metrópoles:

  • I Seminário Internacional “A Cidade Neoliberal na América Latina” (Rio de Janeiro, Brasil, novembro 2013).
  • II Seminário Internacional “A fase atual do capitalismo e a urbanização da América Latina” (Medellín, Colômbia, 18 a 20 de fevereiro de 2015);
  • III Seminário Internacional “La ciudad latinoamericana entre Globalización, Neoliberalismo y Adje- tivaciones: lecturas críticas” (Querétaro, México, 11 a 13 de outubro 2016);
  • IV Seminário Internacional “A Produção da Cidade Latino-Americana no neoliberalismo” (Quito, Equador, 12 a 14 de dezembro de 2018);
  • V Seminário Internacional “Las políticas neoliberales y la ciudad en América Latina: Desafíos teóricos y políticos para una comprensión crítica de los procesos urbanos latinoamericanos” (Buenos Aires, Argentina, 2020).

Durante o primeiro seminário ocorreu o lançamento do livro “Teorias sobre la ciudad en America Latina”, organizado por Blanca Ramírez Velázquez e Emilio Pradilla Cobos. A publicação reúne 18 textos de diversos pesquisadores que sintetiza o desenvolvimento da teoria urbana construída na América Latina, seus alcances e carências, a riqueza e originalidade destes planejamentos e sua capacidade explicativa na realidade da região.

Observatório das MercoMetrópoles

O INCT Observatório das Metrópoles está em processo de discussão com colegas do Instituto del Conurbano, da Universidad Nacional de General Sarmiento, e do Instituto de Estudios Urbanos da Pontifícia Universidad Católica do Chile, a criação do Observatórios da Metrópoles do Brasil Argentina e Chile com base em nossa experiência e utilizando a nossa metodologia. A viabilização técnica da realização deste projeto é facilitada pela forte convergência dos censos demográficos destes países após o ano 2000, fato que permite o desenvolvimento de estudos comparativos. Por outro lado, esta articulação nos permitirá a construção de fundamentos teóricos e metodológicos apropriados em razão da proximidade de trajetória da formação histórica destes países. É importante assinalar que este projeto surge como consequência de discussões e reflexões coletivas realizadas em cinco seminários realizados entre os pesquisadores dos países envolvidos.

Projeto DESAFIO

Outra parceria internacional de destaque é o projeto DESAFIO – Democratisation of Water and Sanitation Governance by Means of Socio-Technical Innovation, coordenado pela Universidade de Newcastle/Reino Unido e com recursos da Comissão Europeia, que tem como propósito desenvolver soluções sociotécnicas sustentáveis e inovadoras para combater um dos maiores desafios enfrentados pelo Brasil e pela América Latina no século XXI: erradicar a desigualdade social estrutural de acesso à água e aos serviços de saneamento.

Criado no âmbito da rede Waterlat, o projeto DESAFIO é coordenado pelo professor Esteban Castro, da Universidade de Newcastle (UNEW) e tem como objetivo global de pesquisa avaliar as experiências existentes e desenvolver novas estratégias que produzam soluções sociotécnicas sustentáveis apropriadas e inovadoras a fim de promover o desenvolvimento econômico e social por meio da transformação social em comunidades vulneráveis, especialmente no que diz respeito ao acesso a serviços de água e saneamento seguros.

O INCT Observatório das Metrópoles participou do projeto através do grupo de pesquisa coordenado pela professora Ana Lúcia Britto, do PROURB/FAU/UFRJ, sobre políticas públicas de saneamento ambiental em Regiões Metropolitanas. O instituto produziu um estudo de caso sobre as formas de acesso ao saneamento na periferia metropolitana do Rio de Janeiro, na região da Baixada Fluminense.

Metrópoles da América Latina: efeitos territoriais da globalização

Em outubro de 2012, o Observatório das Metrópoles promoveu o Seminário Internacional “Metrópoles da América Latina: Valle de México, Rio de Janeiro, São Paulo e Buenos Aires” com o propósito de dar continuidade ao debate sobre as possibilidades de interpretação dos processos atuais dos maiores e mais importantes centros urbanos do continente e analisar suas determinações concretas, a fim de avançar sobre a teorização dos efeitos do neoliberalismo nos territórios urbanos em seu nível mais desenvolvido (metrópoles e cidades dominantes).

O projeto de pesquisa comparada “As grandes metrópoles da América Latina: Rio de Janeiro, São Paulo, Buenos Aires, Valle do México” tem sido desenvolvido desde 2010 pelo Observatório das Metrópoles em parceria com a Universidade Autônoma Metropolitana Unidade Xochimilco (UAM-X), Departamento de Teoria e Análises, representado pelo professor Emílio Pradilla Cobos; pela Universidade de Buenos Aires (UBA), representada pelos professores Pedro Pires e Pablo Cicolella; e os núcleos São Paulo do Observatório das Metrópoles, professoras Lúcia Bógus (PUC-SP) e Suzana Pasternak (USP), e Rio de Janeiro, representado pelo coordenador geral do Observatório Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro.

De acordo com o vice-coordenador do Observatório Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro, o estudo comparativo prevê a análise das quatro metrópoles de maior população e importância econômica do continente latino-americano, tomando como base os efeitos territoriais da globalização neoliberal em países com regimes políticos de diferentes orientações e com distintas relações com os países capitalistas hegemônicos.

Um dos resultados do projeto é o livro “Grandes Metrópoles da América Latina: Buenos Aires, Rio de Janeiro, São Paulo e Valle do México”.

Estado, Grandes Empresas e Governança Metropolitana

De que maneira a política do setor privado está transformando a governança metropolitana? A hipótese inicial é de que as novas elites globais privadas estão, cada vez mais, dependentes dos gastos sociais; e, em decorrência, passam a influenciar as estruturas regulatórias dos estados. Esse é o ponto de partida do projeto “Estado, Grandes Firmas e Governança para o Desenvolvimento Metropolitano”, que está sendo realizado por um grupo de institutos de pesquisas em cidades como Paris, Londres, Roma, Istambul, Bombaim e Pequim. O Observatório das Metrópoles contribui com a investigação a partir da análise do contexto brasileiro no Rio de Janeiro – no qual grandes empresas atuam nos preparativos dos megaeventos esportivos.

Coordenado por Christian Lefèvre, da Université Paris-Est Marne La Vallée, o projeto “Estado, Grandes Firmas e Governança para o Desenvolvimento Metropolitano” busca compreender a evolução da produção de estratégias e políticas que lidam com o desenvolvimento urbano na escala metropolitana. Para isso, estão sendo investigados vários tipos de políticas e atividades: desenvolvimento econômico, infraestrutura, a elaboração de documentos de planejamento e na elaboração e produção de arranjos de governança. Sendo que o foco do projeto será os agentes econômicos, nomeadamente as grandes firmas.

Da Cidade à Metrópole: os desafios da governança

O livro “De la Ville à la Métropole. Les défis de la gouvernance” (Christian Lefèbvre, Nathalie Roseau e Tommaso Vitale) analisa a difícil emergência da escala metropolitana na ação coletiva e na representação do fenômeno urbano. E destaca os desafios e barreiras à construção de uma governança metropolitana entendida em uma concepção larga e plural ultrapassando os campos institucionais e técnicos.

Para avançar no debate metropolitano, o livro desenvolve uma perspectiva internacional e comparativa, investigando também as metrópoles do Norte e do Sul. Seja as desigualdades socioterritoriais, a degradação das condições de vida e do ambiente, os freios da democracia e os sistemas de capacidade geralmente baixos de atores para dominar o desenvolvimento econômico, as cidades precisam aprender umas com as outras.

Cruzando experimentos, as metrópoles, globalizada e localizada, são aprofundadas por três prismas de análise: em primeiro lugar, o lugar dos atores e da sociedade civil na produção urbana; em seguida, o papel das políticas e projetos na fábrica da cidade, e, finalmente, a influência de estratégias para o desenvolvimento econômico e cultural de inclusão social.

Instituto Del Conurbano (Argentina)

Outro destaque de cooperação internacional é a parceria com o Instituto del Conurbano (ICO), da Universidade Nacional General Sarmiento (Argentina), que tem possibilitado o desenvolvimento de estudos comparados na América Latina. O convênio, firmado entre o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR/UFRJ) e o Instituto del Conurbano (ICO/Universidade General Sarmiento), tem como seu principal interlocutor o Observatório das Metrópoles, mas também abre oportunidade de trabalhos conjuntos com outras unidades de pesquisa do IPPUR.

Localizada na periferia noroeste da região metropolitana de Buenos Aires, a Universidade General Sarmiento tem como objetivos fundamentais a formação de profissionais que contribuam para o debate dos problemas da vida urbana e a investigação do desenvolvimento equitativo e sustentável das cidades, com desenho eficiente e participativo de políticas públicas. Em relação às pesquisas desenvolvidas pelo ICO, destaque para temas como:

  • (i) Modos de Vida e Políticas Sociais na cidade;
  • (ii) Instituições e Processos de Governo Local, Sistemas Econômicos Urbanos;
  • (iii) Ecologia Urbana e Processos; e
  • (iv) Agentes do Desenvolvimento Urbano.

Nesse sentido, avançar no acordo de cooperação representa ampliar a escala das investigações, somar objetivos de comparação entre as cidades e enriquecer as abordagens teórico-metodológicas. Além do intercâmbio de conhecimento entre os projetos de pesquisa e formação, sobretudo em nível de pós-graduação.