Direito à cidade, trabalho e economia social e solidária no contexto metropolitano

Há em geral nas pesquisas sobre economia popular um reducionismo de seu universo às atividades mercantis comumente chamadas de atividades geradoras de renda. Não se reconhece o significado econômico de inúmeras práticas produtivas e reprodutivas nutridas por recursos não monetários e que em grande medida consistem em práticas solidárias. Práticas essas que são condição fundamental para a reprodução das famílias dos trabalhadores e trabalhadoras. Assim, o projeto objetiva investigar as práticas econômicas desenvolvidas nos territórios populares, buscando desvendar as diferentes formas de associativismo e reciprocidade e as conexões intra e extra bairro presentes nessas práticas.

Para tanto, a primeira etapa foi construir uma metodologia de pesquisa qualitativa que garantisse a apreensão da complexidade das relações sociais enraizadas nos territórios populares. A complexidade está na trama de formas de produzir e circular bens e serviços fundamentais para a reprodução da vida humana que foram sendo supridos pela combinação diferenciada, em cada território, entre estratégias familiares e associativas de autoprodução, políticas redistributivas e ações empresariais. A segunda etapa, foi aplicar a metodologia num bairro periférico na metrópole do Rio de Janeiro, como projeto piloto e avaliar, com base nos resultados empíricos alcançados, a capacidade da metodologia orientar ações efetivas que elevem as condições urbanas de vida dos trabalhadores por meio de práticas solidárias sustentáveis a longo prazo.

Atividades em curso:

  1. Sistematização e análise das entrevistas de longa duração realizadas em 2017/18 com famílias do bairro São Bento, em Duque de Caxias e produção do livro com os resultados;
  2. Conclusão da coletânea “Cooperação na cidade”, organizada por Luciana Lago, Fernanda Petrus e Irene Mello;
  3. Desenvolvimento de ações de extensão na periferia metropolitana e em comunidades no Rio de Janeiro, no campo das tecnologias socioambientais em serviços urbanos e redes agroecológicas.

Metodologia:

Quatro pesquisadores estão realizando a sistematização e análise das 90 entrevistas realizadas: Luciana Lago (Observatório das Metrópoles), Irene Mello (Observatório das Metrópoles), Davi Rodrigues (Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social – NIDES da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e Paulo Carvalho (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).

Coordenadores(as):