Ao menos desde o estouro da bolha das hipotecas “subprime”, nos Estados Unidos, em 2007, e na medida em que ela se converteu numa crise financeira global, tornou-se cada vez mais explícito que as dinâmicas de expansão e crise do capitalismo contemporâneo estão profundamente enraizadas nos processos de produção social do espaço, de organização dos territórios e, particularmente, de urbanização. Desde então, uma vigorosa agenda de pesquisa, girando em torno da chamada financeirização e da predominância do rentismo, difundiu-se pelos mais diversos campos e disciplinas científicas. No âmbito dos estudos urbanos e metropolitanos, passou-se a falar, por exemplo, na financeirização da terra, da moradia, das cidades, do ambiente construído, dentre outras formas de aludir à penetração da lógica financeira nos domínios de que se ocupam esses estudos.

Considerada a importância dessa agenda, sobretudo em um momento de inflexão ultraliberal no Brasil e de instabilidade política e econômica no mundo, o INCT Observatório das Metrópoles, em parceria com o IPPUR/UFRJ, promoverá e convida para o curso de extensão As metrópoles e o capitalismo financeirizado. A partir dele, pretende-se difundir e debater os resultados de pesquisa do Grupo Metrópole, Estado e Capital, que, desde 2015, empenha-se na construção de um marco teórico que permita compreender os atuais nexos financeirização/urbanização, sugerindo novos horizontes de investigação e de reflexão sobre eles.

O curso terá como roteiro fundamental o livro de mesmo título, oriundo da referida pesquisa e da atuação do grupo acima mencionado, o qual, vinculado ao Observatório das Metrópoles, foi originalmente criado em virtude do interesse dos seus integrantes em estabelecer um diálogo teórico e analítico entre a matriz de pensamento braudeliana-arrighiana e o pensamento crítico presente no campo dos estudos urbanos e regionais, buscando alternativas de interpretação sobre as conexões entre as transformações do capitalismo, em movimento desde os anos 1970, e os processos de reestruturação urbana-regional em suas variadas dimensões, como a econômica, social, política e cultural. O livro A metrópole e o capitalismo financeirizado, que será lançado na primeira aula, reúne textos tanto dos integrantes do grupo quanto de autores e autoras com quem mantiveram interações intelectuais, diretas ou indiretas, compartilhando indagações, análises e inquietações teóricas.

Cada uma das sessões do curso será conduzida por esses autores e autoras, de acordo com o cronograma, remetendo-se, principalmente, mas não exclusivamente, ao conteúdo dos capítulos do livro. Pretende-se oferecer um espaço de exposição e de debate que possibilite um amplo diálogo acerca dos elos entre a dominância financeira e as transformações urbanas, territoriais e metropolitanas correspondentes à atual fase de desenvolvimento do capitalismo. O curso conta com a coordenação de Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro (IPPUR/UFRJ), Nelson Diniz, Igor Pouchain Matela, Tarcyla Fidalgo Ribeiro e Isis Camarinha (integrantes do Grupo Metrópole, Estado e Capital e pesquisadores vinculados ao INCT Observatório das Metrópoles).

Serão 16 encontros, sempre às terças-feiras, com início no dia 29 de setembro, das 11:00 às 13:00. Para se inscrever, o(a) interessado(a) deve enviar um e-mail para extensao.om@observatoriodasmetropoles.net

Confira, abaixo, as informações sobre o cronograma do curso:

Parte I – Financeirização, Capitalismo e Dependência

Aula 1 – Apresentação do Programa.
Data: 29/09/2020
Responsável:  Coordenadores

Aula 2 – O sistema-mundo capitalista e os novos alinhamentos geopolíticos no século XXI: uma visão prospectiva.
Data: 06/10/2020
Responsável: Carlos Eduardo Martins
Ementa: A segunda aula, analisa as principais características da conjuntura mundial contemporânea a partir de tendências cíclicas e seculares e dos novos alinhamentos geopolíticos que apontam para uma bifurcação do poder no sistema mundial.

Aula 3 – Tempoespaços do Sistema Mundo Capitalista e a natureza do declínio da Hegemonia Americana: a longa duração na análise da conjuntura.
Data: 13/10/2020
Responsável: Isis Camarinha
Ementa: A terceira aula contribui com uma leitura de longa duração do desenvolvimento histórico do sistema mundo capitalista a partir do conceito de tempoespaço lançado originalmente por Immanuel Wallerstein. Adicionalmente, tendo como ferramenta analítica esta perspectiva conceitual, busca analisar a natureza do declínio da hegemonia americana enquanto fenômeno da conjuntura que expressa uma das faces da crise sistêmica em marcha.

Aula 4 – Financierización en América Latina: implicancias de la integración financiera subordinada.
Data: 20/10/2020
Responsável: Juan Pablo Painceira
Ementa: A quarta aula mostra a composição do cenário específico da dominância financeira na América Latina, considerando suas peculiaridades geopolíticas e econômicas. Os autores apontam que a financeirização subordinada estabelece uma nova forma de vulnerabilidade externa dos países latino-americanos e que esse processo tem consequências diretas no comportamento dos principais agentes econômicos nesses países, como os bancos, as empresas e as famílias.

Parte II – Financeirização, Capitalismo e Território

Aula 5 – Financeirização e mercantilização à luz dos ciclos sistêmicos de acumulação e de urbanização.
Data: 27/10/2020
Responsáveis: Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro e Nelson Diniz
Ementa: Nesta aula os responsáveis apresentam uma proposta de leitura do fenômeno financeiro a partir da abordagem arrighiana dos ciclos sistêmicos de acumulação e suas relações com as transformações históricas do espaço urbano.

Aula 6 – Circuitos de extração: valor em processo e o nexo mineração/cidade.
Data: 03/11/2020
Responsável: Martín Arboleda
Ementa: Nesta aula, inclui-se a reflexão teórica na qual propõe um quadro teórico para a compreensão das cadeias transnacionais de valor que articulam as atividades extrativas, de suprimento e de produção social do espaço construído urbano e não urbano, a partir do qual é possível entender as formas pelas quais as indústrias extrativas estão refazendo paisagens urbanas, financeiras e logísticas à sua própria imagem.

Aula 7 – Máquinas de crescimento urbano – mas em que escala?
Data: 10/11/2020
Responsável: Neil Brenner
Ementa: Nesta aula, apresenta-se uma reflexão sobre as dimensões multiescalares do fenômeno urbano ao fazer uma releitura crítica, metodologicamente não localista, da teoria da máquina de crescimento urbano.

Aula 8 – Metrópole, moeda e mercados. A agenda urbana em tempos de reemergência das finanças globais.
Data: 17/11/2020
Responsável: Jeroen Klink
Ementa: Nesta aula trataremos das articulações entre a dimensão financeira e as metrópoles no capitalismo contemporâneo, sugerindo uma agenda de pesquisa articulada em três eixos: (i) Estado, fundo público e financiamento em tempo de austeridade metropolitana; (ii) neoliberalização e reestruturação da governança metropolitana e (iii) planejamento urbano-metro­politano: de planos a modelos.

Aula 9 – A metrópole para além da nação: globalização e crise urbana.
Data: 24/11/2020
Responsável: Maurilio Lima Botelho  
Ementa: Nesta aula, discutiremos o papel das grandes cidades e metrópoles na economia mundial. O autor defende que a emergência de cidades-globais implode as economias tradicionais ao reorganizar as articulações escalares. Portanto, sugere que as questões metropolitanas atuais deveriam ser analisadas como parte de uma crise econômica global.

Aula 10 – Urbanización del capital y difusión de ideologías urbanas en América Latina: la ciudad como máquina de crecimiento económico.
Data: 01/12/2020
Responsáveis: Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro e Marcelo Rodríguez Mancilla
Ementa: Busca-se analisar criticamente as conexões entre a urbanização do capital, a difusão do atual ciclo de ideologias urbanas e sua tradução na definição de políticas urbanas que dinamizam os processos de neoliberalização. Com isso, o capítulo sustenta que as ideologias urbanas atuais estão orientadas no sentido de favorecer os processos de acumulação financeirizados e de mercantilização das cidades.

Parte III – Os Ajustes Regulatórios da Ordem Urbana Brasileira

Aula 11 – Inflexão ultraliberal e a financeirização da ordem urbana brasileira: explorando algumas hipóteses.
Data: 08/12/2020
Responsável: Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro
Ementa: Nesta aula, pretende-se refletir sobre os possíveis impactos da inflexão ultraliberal sobre as metrópoles brasileiras no sentido da aceleração de sua inserção no atual ciclo de dominância financeira do capitalismo.

Aula 12 – Capitalismo sob dominância financeira e a terra urbana – uma análise do caso brasileiro a partir da regulação fundiária.
Data: 15/12/2020
Responsável: Tarcyla Fidalgo Ribeiro
Ementa: Nesta aula, busca-se refletir sobre o papel da regulação na capilari­zação da dominância financeira no espaço urbano a partir do estudo de caso da mais recente lei sobre a regularização fundiária aprovada em nível federal.

Aula 13 – A financeirização do Estado por meio da securitização de ativos no Brasil.
Data: 22/12/2020
Responsáveis: Igor Pouchain Matela e Nelson Diniz  
Ementa: Propõem-se discutir como as práticas e racionalidades financeiras também se fazem presentes no nível da gestão dos aparelhos estatais. Os autores trazem exemplos brasileiros de securitização de ativos públicos para fazer uma reflexão sobre as relações intrínsecas entre os processos de financeirização e de acumulação por despossessão.

Parte IV – Estudos de Caso

Aula 14 – Grupos econômicos e acumulação urbana na cidade do Rio de Janeiro: Odebrecht e Carvalho Hosken.
Data: 12/01/2021
Responsáveis: Lucas Faulhaber e Hipolita Siqueira
Ementa: Aqui abordaremos os principais elementos para a análise dos grupos econômicos e sua contribuição para os estudos sobre acumulação urbana. Então, são examinadas as trajetórias históricas e as estratégias de acumulação dos grupos Odebrecht e Carvalho Hosken na cidade do Rio de Janeiro.

Aula 15 – Arranjos Multiescalares da atividade imobiliária e a (re)produção da metrópole.
Data: 19/01/2021
Responsável: Alexandre Yassu      
Ementa: Pretende-se tratar das transformações imobiliárias, residenciais e logísticas em Cajamar, Região Metropolitana de São Paulo. O artigo revela as relações entre os agentes financeiros globais, o poder público e os agentes locais numa análise dos arranjos multiescalares na produção do meio ambiente construído.

Aula 16 – Parceria público-privada para construção de moradia popular: fundamentos institucionais para a expansão do mercado de habitação em São Paulo.
Data: 26/01/2021
Responsáveis: Alvaro Luis dos Santos Pereira e Gabriel Maldonado Palladini
Ementa: Na última aula discutiremos o estudo de caso sobre a capilarização da financeirização no mercado de habitação em São Paulo, apresentando o projeto de parceria público-privada de produção de moradia popular levado a cabo pela Agência Casa Paulista, do governo estadual e suas configurações institucionais alinhadas aos paradigmas da neoliberalização e financeirização.

Para conferir o programa completo do curso, CLIQUE AQUI.