SESC-SP — Luzes, democracia e representação

O Centro de Pesquisa e Formação do Sesc corealiza, em parceria com a PUC-SP, o ciclo de conferências Luzes, democracia e representação. A programação faz parte de evento do mesmo nome, composto por seminário e conferências realizado pela universidade.

O ciclo Luzes, democracia e representação, que acontece de 14 de setembro a 10 de novembro na unidade do Sesc, conta com as participações do cientista político Renato Lessa; do professor francês Blaise Bachofen; e da historiadora francesa Dominique Godineau.

O mundo contemporâneo está a exigir cada vez mais um aprofundamento reflexivo de suas questões éticas e políticas. Em um momento em que, na esfera mundial, os socialistas são acusados de fazerem o jogo do grande capital e os liberais de se submeterem ao imperialismo americano e, por outro lado, na esfera nacional, assistimos a um impeachment justificado pela ação das “forças do bem” contra as “forças do mal”, faz-se urgente uma reflexão crítica sobre a democracia e a representação.

O ciclo tem por objetivo, de um lado, retomar uma tradição teórica entre as Luzes, a representação e a democracia, e de outro, destacar e aprofundar essa discussão ao retomar dois pensadores fundamentais para essa reflexão, Jean-Jacques Rousseau e Imanuel Kant, bem como ali resgatar a atuação de uma categoria de atores sociais – as mulheres – mas à qual a cidadania foi negada.

Enfim, parafraseando Giles Deleuze, é preciso pensar em tempos difíceis. É preciso pensar sobre eles – o nosso tempo é um tempo difícil – como também a reflexão é uma boa saída para tempos conflitantes. Hoje, nestes tempos de extrema desigualdade apesar de toda a riqueza produzida, nacionalismos e xenofobia são saídas muito fáceis e sedutoras, mas de uma incalculável tragicidade para a humanidade.

E, frente a esse cenário, é que hoje, passados três séculos, a pergunta por que retomar o pensamento iluminista particularmente nessa relação entre as luzes, a Revolução Francesa, a democracia e a representação, se impõe.Portanto, como lembra Tzvetan Todorov, é preciso refletir sobre a atualidade das Luzes sem caricaturas: de um lado – o século XVIII seria responsável pelos “desvios modernos” como o racionalismo, o cientificismo, o individualismo e outros “ismos” – e de outro, a responsabilidade das luzes pelo colonialismo do século XIX, pelos sistemas totalitários do século XX.

O grande desafio é retomar essa discussão sobre as Luzes e seu evento principal, a Revolução Francesa, para evitar uma análise reducionista.

Aquilo que a Revolução Francesa representa provocou uma ruptura sob vários aspectos e, embora o objetivo das atividades propostas no ciclo não seja a retomada dos acontecimentos históricos, é preciso, de outro lado, indagar pelos seus fundamentos filosóficos, para melhor compreender que valores ali se forjaram e que embasaram as noções de igualdade, liberdade, representação e democracia.

O orgulho pela democracia como modelo privilegiado de poder posto que decorre da vontade popular, tem sua origem no movimento filosófico que removeu o entulho do mundo ocidental a partir do século XVIII. A luta da luz (razão/liberdade) contra as trevas (ignorância/opressão) se resolveu com a vitória da primeira sobre a segunda. No entanto, a história mostra que a intolerância, o despotismo, a violência não estão definitivamente derrotados e reaparecem sempre e cada vez mais cinicamente aperfeiçoados, muito embora continuemos a afirmar os postulados universais dos valores ocidentais.

Programação:

14/9/16 – A utopia da representação

Com Renato Lessa, Cientista político. Presidente da Fundação Biblioteca Nacional. Professor da UFF.

6/10/16 – Rousseau e a Revolução Francesa

Com Blaise Bachofen, professor da Université de Cergy-Pontoise. Especialista em Filosofia política e jurídica com interesse especial em Rousseau.

10/11/16 – As mulheres e as luzes

Com Dominique Godineau, historiadora. Professora da Université de Rennes. Tem como foco de pesquisa a história das mulheres no Antigo Regime.

Sobre o CPF-Sesc

Inaugurado em agosto de 2012, o Centro de Pesquisa e  Formação do Sesc é uma unidade do Sesc São Paulo voltada para a produção de conhecimento, formação e difusão e tem o objetivo de estimular ações  e desenvolver estudos nos campos cultural e socioeducativo.

Além do Curso Sesc de Gestão Cultural – que visa a qualificação para a gestão cultural de profissionais atuantes no campo das Artes, tanto de instituições públicas como privadas – a unidade proporciona o acesso à cultura de forma ampla, tematicamente, por meio de cursos, palestras, oficinas, bate-papos, debates e encontros nas diversas áreas que compreendem a ação da entidade, como artes plásticas e visuais, ciências sociais, comportamento contemporâneo e cotidiano, filosofia, história, literatura e artes cênicas.

Luzes, democracia e representação

Dias 14 de setembro, 6 de outubro e 10 de novembro de 2016.

Quarta e quintas, das 19h30 às 21h30.

Recomendação etária: 16 anos. Número de vagas: 70.

Grátis – mediante inscrição. Tradução simultânea.

Informações e inscrições pelo site (sescsp.org.br/cpf) ou nas unidades do Sesc no Estado de São Paulo.

Centro de Pesquisa e Formação – CPF Sesc

Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar.

Horário de funcionamento: de segunda a sexta, das 10h às 22h. Sábados, das 9h30 18h30.

 

Tel: 3254-5600

 

Publicado em Eventos | Última modificação em 12-09-2016 23:02:55