Livro “Wilson Cano – A questão regional e urbana no Brasil”, disponível em nossa Biblioteca Digital.

O Observatório das Metrópoles promoveu uma live em homenagem ao professor e economista Wilson Cano (1937-2020), com o lançamento da obra “A questão regional e urbana no Brasil” (Editora Fundação Perseu Abramo e Expressão Popular). A transmissão ocorreu no último dia 21, no canal do Observatório no Youtube, e segue disponível para visualização. Com participação do professor Antonio Carlos Galvão; do economista e filho de Wilson Cano, Newton Cano; da coordenadora do Núcleo Natal, Maria do Livramento Clementino e do coordenador nacional da rede, Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro, a live contou com a apresentação da pesquisadora do Núcleo Curitiba, Olga de Freitas Firkowski.

Na oportunidade, os convidados abordaram a vida e a obra de Wilson Cano. “O livro lançado é amplo, possui mais de 600 páginas e, durante a live, foram priorizados os trabalhos e as pessoas presentes como autores que tem uma interlocução com o trabalho do Observatório”, informou Firkowski. Segundo o professor Antonio Carlos Galvão, o livro é o resultado de um esforço coletivo grande, que faz jus à qualidade do pensamento e traz à tona a falta que pessoas como Wilson Cano fazem no momento de luta. “Gostaria de relembrar atitudes do professor Wilson como a paciência e a atitude proativa, como excelente orientador e incansável pesquisador. Ele tinha essa qualidade de esmiuçar as temáticas a que ele se dedicou. Uma contribuição inestimável ao desenvolvimento brasileiro e das suas cidades e regiões”, ressaltou Galvão.

A parte central da pesquisa do professor Wilson Cano tem a ver com desenvolvimento regional e urbano que, conforme Galvão, ele sempre tratou de maneira indivisível. O livro passa por vários temas e conceitos que foram cruciais na obra de Cano. Um deles é a ideia do capital mercantil, que foi trabalhada por ele, e que traz à tona uma velha maneira da elite política brasileira se completar e se reproduzir sem maiores delongas, reafirmando o pacto de dominação que está na base da história brasileira nos últimos séculos. “Wilson tinha ideias de valores de justiça social e bem-estar da população, para ele isso era decisivo. Uma segunda ideia dele era de que a nacionalidade era referência principal, que precisamos pensar regiões e cidades, mas não descolados da ideia de Brasil, de um país. E uma terceira ideia de que a acumulação e o investimento continuam sendo determinantes das possibilidades de o país engendrar um desenvolvimento futuro decente”, pontuou Galvão.

Depoimento de Newton Cano: economista e filho de Wilson Cano

De acordo com o economista e filho de Wilson Cano, Newton Cano, a maior contribuição com o livro veio de um caráter afetivo, onde ele buscou produzir um breve artigo mostrando os 40 anos em que a família viveu na Chácara das Amoreiras – no bairro do Guará, em Campinas (SP) – de 1980 até 2020, quando Wilson Cano faleceu. “O artigo busca fazer um link com a vida em família e o olhar do meu pai não só como pai de família, mas como professor, como alguém sempre muito preocupado com a justiça social nesse país, essa enorme lacuna que nós temos. Procurei mostrar o quanto nossa vida era muito integrada com a população mais pobre”, revelou.

Conforme o economista, havia em Wilson Cano uma total intolerância para qualquer tipo de preconceito. “Piadas de cunho sexual, gênero, raça ou deficiência, esses temas eram totalmente banidos e não tolerados por ele. Isso também trouxe para nós uma consciência muito rápida das preocupações sociais que ele tinha. Esse artigo teve um papel muito afetivo, foi um privilégio poder fazer esse resgate da vida do meu pai da vida na chácara”, ressaltou.

Wilson Cano: um intelectual que priorizou a análise do urbano

Durante sua fala, a coordenadora do Núcleo Natal, Maria do Livramento Clementino, relatou que, pela abordagem das obras Wilson Cano, ele foi um intelectual que priorizou a análise do urbano. “Diria que a interpretação do urbano foi construída a partir de uma visão global do desenvolvimento, onde a urbanização para ele decorre das grandes transformações estruturais que o país sofre e, especialmente, a partir da industrialização. Na discussão da urbanização brasileira, todos que conhecem a obra dele sabem que há um marco importante nessa mudança. Ele sempre ressaltou essa relação entre o desenvolvimento desequilibrado e a trajetória da diferenciação da urbanização nas diferentes regiões do país”, concluiu Clementino.

O coordenador nacional do Observatório, Luiz Cesar Ribeiro, destacou a importância da iniciativa da live, mas especialmente do livro. “Acho que sem dúvida é uma merecida homenagem que está sendo feita a alguém que dedicou a vida a desenvolver um pensamento importante na compreensão da nossa realidade, nas várias facetas dessa problemática do desenvolvimento urbano e regional”, refletiu. Para ele, é uma contribuição importante no plano para além da homenagem, visto que também tem uma importância para a formação de novos pesquisadores. “Tomar conhecimento do conjunto da obra através dos vários textos, mas conhecendo também aspectos da vida deste autor, para que o pensamento dele continue influenciando novas gerações de pesquisadores”, finalizou Ribeiro.

No decorrer da live, foi apresentado um trecho do vídeo-depoimento produzido pela TV Unicamp, intitulado “Wilson Cano: pensamento e trajetória”. O professor Cano organizou e publicou 20 livros; é autor de quase quarenta artigos em periódicos; e 37 capítulos de livros. Como pesquisador, exemplificou o caráter imperioso da opinião fundada e do trabalho meticuloso com a informação. Saiba mais em: www.economia.unicamp.br/arquivo/memoria-wilson-cano

Confira o registro da live: