Chuvas e trovoadas | José Luís Fiori

Barack Obama e George W. Bush

Barack Obama e George W. BushCrédito: The Gardian/Reprodução

Neste artigo o cientista político José Luís Fiori mostra que, nos últimos 24 anos, o projeto da “globalização americana” foi ficando cada vez mais conservador, agressivo e intervencionista. O que talvez explique a radicalização dos ataques externos e a tentativa de intervenção direta ou indireta nas últimas eleições presidenciais no Brasil.

O artigo “Chuvas e trovoadas”, do cientista político José Luiz Fiori, foi publicado no site da Carta Maior. O texto foi cedido ao Observatório das Metrópoles para ampliar o debate sobre a análise geopolítica internacional.

Fiori é coordenador do Programa de Pós-Graduação em Economia Política Internacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e autor do livro “O Poder Global” (Editora Boitempo). Ele pesquisa e ensina há mais de 20 anos no campo das Relações Internacionais, e em particular, na área de Economia Política Internacional, com ênfase no estudo das relações entre a geopolítica e a economia política do “sistema inter-estatal capitalista”.

Até 2008, publicou 9 livros e organizou 5 coletâneas. Ganhou o Prêmio Jabuti de Economia, Administração, Negócios e Direito, na Bienal do Livro de São Paulo, em 1998, com o livro “Poder e Dinheiro. Uma economia Política da Globalização”, organizado com a professora M.C.Tavares; e recebeu Menção Honrosa, na Bienal do Livro de 2002, com o livro “Polarização Mundial e Crescimento”, organizado com o professor C. Medeiros. Desde 1990, publicou cerca de 230 artigos em jornais como Valor Econômico, Correio Braziliense, Folha de São Paulo, Jornal do Brasil, Jornal do Comercio, e em revistas como Carta Capital, Exame, Praga, Margem Esquerda, Carta Maior, SinPermisso e La Onda.

 

CHUVAS E TROVOADAS

JOSÉ LUÍS FIORI

“A subida da ladeira exige poder,  capacidade de inovação e grande mobilidade e inciativa política, a serviço de uma estratégia de movimento e de enfrentamento global das transformações que estão em curso no mundo, e cujo futuro está inteiramente aberto e indeterminado”

J.L. FIORI, “ A subida da ladeira”, Valor Econômico, 27 de agosto de 2014

———————————————–

Para calcular o futuro imediato Brasil, dentro do sistema internacional, é bom partir de um dado de realidade: o avanço da radicalização ultraconservadora da sociedade e do establishment norte-americano. Um movimento profundo, quase telúrico, cada vez mais religioso, fanático e agressivo, dentro da sociedade, mas com uma repercussão cada  vez mais messiânica e intervencionista, no campo da política exterior dos EUA.

Como se fosse um tisunami que avança em ondas sucessivas, cada vez maiores, desde o início da década de 80, com a vitória do projeto de “restauração conservadora” de Ronald Reagan (1982-89), e com sua cruzada anticomunista contra o “império do mal”. Em seguida, depois da queda do Muro de Berlim e do fim da Guerra Fria, o governo republicano de George H.W. Bush (1989-93) reformulou a estratégia conservadora, propondo o projeto do novo “século americano”, junto com a defesa do bloqueio ou destruição preventiva, de novas potencias que ameaçassem o unilateralismo dos EUA.

Durante a década de 90, o governo democrata de Bill Clinton (1993-2001) reformulou e empacotou esta mesma estratégia com a ideologia da universalização da democracia, do mercado e da ética “ocidental”. E foi em nome desta ideologia que Bill Clinton promoveu a ocupação militar da Europa do Leste, pela OTAN, e mais 48 intervenções militares ao redor do mundo .

Mas não há dúvida que os Atentados de 11/09 de 2001 provocaram um salto qualitativo nesta trajetória, durante o novo governo republicano, de George W. Bush (2001-09).  Hoje existem muitos especialistas militares, dentro e fora dos EUA, que consideram que os atentados de 2001 foram um típico inside job, concebido e pilotado pelo que eles chamam de Deep State norte-americano .

Mas seja lá como tenha sido feito, suas consequências foram definitivas, dentro e fora dos EUA: colocaram o núcleo duro do ultraconservadorismo no comando da política externa americana, sob a liderança de Dick Cheney, Donald Rumsfeld e Paul Wolfowitz; e traçaram uma nova fronteira entre o “mundo do bem” e o “eixo do mal”, iniciando 14 anos de guerra contínua dentro do Grande Oriente Médio, com a demonização progressiva do mundo islâmico, junto da opinião publica ocidental.

Mais recentemente, a volta dos democratas ao governo, com Barack Obama, em 2009, não alterou o rumo das coisas, porque seus projetos pessoais de um “multilateralismo atenuado”,  com aproximação da Rússia e a pacificação negociada da Palestina, foram atropelados de dentro de sua própria administração democrata.  Pelos mesmos setores que promoveram a rebelião tutelada da Praça Maiden, e se utilizaram do “atentado aéreo” da Ucrânia, para consolidar a fronteira geopolítica e militar que volta a separar a Europa da Rússia Ortodoxa. Ao mesmo tempo em que transformavam o sudeste asiático na região mais militarizada do mundo, à sombra da nova “fronteira chinesa”, anunciada por Hillary Clinton, na condição de chefe do Departamento de Estado do governo Obama.

Resumindo: nestes últimos 24 anos, o projeto da “globalização americana” foi ficando cada vez mais conservador, agressivo e intervencionista, e apesar disto, o “multilateralismo” se robusteceu com a expansão econômica e militar de algumas velhas potências regionais, como Alemanha e Rússia, e de algumas novas potências, ainda mais complicadas, por serem também “polos civilizacionais” – com é o caso da China, Índia e Iran – com seus próprios “sistema de verdade”, e sua visão ética autônoma do indivíduo, da sociedade e do mundo.

Agora bem, por que e quando o Brasil entrou nesta história, e nesta “linha de tiro”?  Do nosso ponto de vista, graças a três decisões cruciais da sua politica externa:

i) quando o Brasil  decidiu ampliar e transformar um projeto convencional de integração econômica (MERCOSUL),  num bloco político sob sua liderança,  com o objetivo  de impedir toda e qualquer intervenção externa na América do Sul. Alcançando pleno sucesso ao bloquear a tentativa da OEA envolver-se na crise política da Venezuela, no primeiro semestre de 2014;

ii) quando o Brasil decidiu se aliar à China, Índia e Rússia, para transformar um mero “acrônimo mercantil” (BRICS), no principal bloco de poder internacional  que se opõe hoje ao projeto unilateralista da “globalização americana”. Sobretudo, depois VI Cúpula BRICS de Fortaleza, quando o Brasil promoveu o encontro e a convergência de agendas, dos países da UNASUL com os governantes da China, Rússia e Índia;

iii) e, finalmente, quando o Brasil decidiu abandonar sua tradicional “zona de conforto” diplomático,  no Oriente Médio, separando-se e se opondo ao eixo estratégico EUA-Israel, ao condenar veementemente a ofensiva miliar israelita na Faixa de Gaza, de agosto/setembro de 2014.

Salvo engano, foi esta mudança qualitativa da política externa brasileira que provocou a intensificação e a radicalização dos ataques conservadores externos, e à sua tentativa de intervenção direta ou indireta nas últimas eleições presidenciais do mês de outubro. Mas não há que enganar-se: a ofensiva não vai parar, e deve aumentar ainda mais, depois que os ultraconservadores – democratas e republicanos – se desfaçam de Barack Obama.

 

Leia também:

A subida da Ladeira | José Luís Fiori

Para calcular o futuro | José Luís Fiori

 

Publicado em Artigos Semanais | Última modificação em 19-11-2014 15:25:02

 

Tags: , , , ,