O paradoxo do envelhecimento

O entrevistado desta edição da e-metropolis é o sociólogo Manuel Villaverde Cabral, diretor do recém criado Instituto do Envelhecimento, da Universidade de Lisboa. Com uma população mundial cuja média de idade aumenta cada vez mais, Villaverde nos alerta para a crescente necessidade de estudos nesta área, em especial aqueles que se situem no cruzamento entre o processo de envelhecimento e a sua consequência para as formas de vida urbanas.

De acordo com dados do IBGE divulgados no início de dezembro de 2011, a expectativa de vida dos brasileiros aumentou 11 anos desde 1980, chegando a 73 anos, levantando questões importantes acerca do envelhecimento. Já Portugal ocupa o 6° lugar dos países mais envelhecidos e a demanda por pesquisas nessa área é grande no país. Manoel Villaverde explica que por conta desse fenômeno foi criado o Instituto sobre o tema na Universidade de Lisboa, ligada também à Fundação Calouste Gulbenkian – uma das 5 ou 6 maiores fundações da Europa; o sociólogo fala ainda sobre os paradoxos do envelhecimento, a discriminação sofrida pelos idosos e as conexões entre o processo de envelhecimento e a problemática urbana.

Acesse a entrevista completa do sociólogo Manoel Villaverde Cabral na edição nº 07 da e-metropolis.