SBPC critica aprovação do “Pacote do Veneno” na Comissão Especial da Câmara

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) divulgou nota criticando a aprovação pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados, por 18 votos a 9, do Projeto de Lei (PL) nº 6.299/2002, conhecido como “Pacote do Veneno”, que altera a Lei dos Agrotóxicos e flexibiliza a produção e venda dessas substâncias no Brasil. A votação aconteceu no dia 25 de junho de 2018, em sessão que restringiu a participação de organizações da sociedade civil.

Um dos pontos previstos no PL é que os agrotóxicos possam ser liberados pelo Ministério da Agricultura mesmo se órgãos reguladores, como Ibama e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), não tiverem concluído suas análises.

No manifesto contra o PL, a SBPC atestou que o uso excessivo de agrotóxicos ameaça seriamente os ecossistemas além de representar um problema grave para a saúde. A presença desses compostos nos ecossistemas terrestres e aquáticos representa um risco para os organismos, com vários efeitos negativos já reportados e resultantes desta exposição. “Um relatório do Ministério da Saúde, de 2018, registrou 84.206 notificações de intoxicação por agrotóxico entre 2007 e 2015. A Anvisa apontou, em 2013, que 64% dos alimentos no Brasil estavam contaminados por agrotóxicos. Registre-se que, em apenas doze anos, entre 2000 e 2012, houve um aumento de 288% no uso de agrotóxicos no Brasil”, ressaltou a entidade no documento que foi endossado por mais de 50 sociedades científicas de todo o País.

“Essa aprovação é um retrocesso, porque o projeto tem uma lógica de uma agricultura mecanizada, com alto investimento de fertilizantes e de agrotóxicos, que é uma lógica ultrapassada. Essa ideia era do final da Segunda Guerra Mundial. É uma agricultura que afeta a saúde da população, e a gente ainda nem tem ideia de quanto isso prejudica de fato. Afeta os ecossistemas, o solo, a água. Estamos em outro momento. Não podemos esquecer que há um movimento de legislações contrárias a isso nos Estados Unidos e Europa”, ressalta Christina Helena da Mota Barboza, presidente da Sociedade Brasileira de História da Ciência (SBHC), uma das entidades que endossaram o manifesto da SBPC. “Ainda cabe uma mobilização da população contra, mas para isso, as pessoas precisam estar devidamente informadas”, acrescenta.

Engavetada por 14 anos, a proposta foi ressuscitada pelo ministro Blairo Maggi, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, autor original do PL, quando era senador, em 2002. Seguindo a votação pela comissão especial nessa segunda-feira, a matéria agora deve ser discutida e votada em Plenário, em período ainda a ser definido, para ser levada à votação no Senado e, por fim, por sanção do presidente da República.

“É um crime. O que fizeram na Comissão Especial é um crime contra a saúde humana. O povo mais pobre pagará com sua própria vida ao se alimentar com comida recheada de veneno, agrotóxicos dos mais terríveis. E tudo isso para beneficiar produtos industriais de empresas estrangeiras que só querem saber do lucro. O Plenário da Câmara precisa vetar o PL 6299/2002”, declarou ao Jornal da Ciência a deputada Jandira Fegahli, única mulher entre os nove parlamentares que se manifestaram contrários à aprovação do PL.

Na sessão, os parlamentares contrários à votação do PL destacaram as manifestações e notas técnicas com críticas contundentes ao projeto apresentadas por entidades reconhecidas nacional e internacionalmente, como a SBPC, a Anvisa, a Defensoria Pública da União, o Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador, o Ministério da Saúde, a Fundação Oswaldo Cruz, o Ibama, o Instituto Nacional do Câncer, o Ministério Público Federal, o Ministério Público do Trabalho, além de mais de 300 organizações da sociedade civil.

“As notas técnicas foram muito claras no sentido de demonstrar que seria um grave retrocesso a aprovação deste projeto e, no entanto, a comissão insistiu no erro e aprovou aquele absurdo. Foi um resultado péssimo para o Brasil, porque demonstrou o desprezo da maioria da comissão pela ciência brasileira”, afirma o deputado Alessandro Molon.

Confira abaixo quem votou a favor e contra o PL 6.299/2002:

Os 18 deputados que votaram a favor do “Pacote do Veneno” são os seguintes:

Adilton Sachetti(PRB-MT),

Alberto Fraga(DEM-DF),

Alceu Moreira(MDB-RS),

Celso Maldaner(MDB-SC),

César Halum(PRB-TO),

Covatti Filho(PP-RS),

Fábio Garcia(DEM-MT),

Geraldo Rezende(PSDB-MS),

Junji Abe(MDB-SP),

Luís Carlos Heinze(PP-RS),

Luiz Nishimori(PR-PR),

Marcos Montes(PSD-MG),

Nilson Leitão(PSDB-MT),

Victorio Galli(PSL-MT),

Sérgio Souza(MDB-PR),

Tereza Cristina(DEM-MS),

Valdir Colatto(MDB-SC) e

Zé Silva(SD-MG).

 

Os nove deputados que votaram contra a aprovação do Pacote do Veneno são:

Alessando Molon (PSB-RJ),

Bohn Gass(PT-RS),

Edmilson Rodrigues(PSOL-PA),

Ivan Valente(PSOL-SP),

Jandira Feghali(PCdoB-RJ),

Júlio Delgado(PSB-MG),

Nilto Tatto (PT-SP),

Padre João(PT-MG) e

Subtenente Gonzaga(PDT-MG).

Para mais informações, acesse o site da SBPC.

***Com informações do Jornal da Ciência

 

Tags: , , ,