5ª Mostra EcoFalante de Cinema debate as cidades e a questão urbana

A Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, maior festival de cinema com essa temática no Brasil, chega à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) no dia 8 de novembro com um projeto inédito. Até 1º de dezembro, a cidade universitária recebe, em dois locais de exibição, 16 sessões de filmes e seis debates com docentes e pesquisadores da instituição. A programação é gratuita e aberta para estudantes, funcionários e público geral.

Os filmes foram selecionados por professores do Instituto de Economia (IE), da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC), do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) e do Núcleo de Estudos de População (NEPO). São produções contemporâneas, de diversos países, que conversam diretamente com temas pesquisados na universidade, especialmente relacionados às cidades, como especulação imobiliária, planejamento urbano, gestão de recursos hídricos, expansão do agronegócio, automatização nas relações de trabalho, mudanças climáticas, entre outros. As sessões acontecem na Casa do Lago e no auditório da Adunicamp.

Mariana Fix, professora do IE, coordenadora do Centro de Estudos do Desenvolvimento Econômico (Cede) e uma das organizadoras do evento, conta que já vinha acompanhando o trabalho da Mostra, e depois de participar dos debates esse ano, viu que seria vantajoso trazer as discussões para Unicamp, “pela qualidade dos filmes e pela importância dos temas tratados”. Ela compôs com Guilherme Wisnik a mesa de debate sobre cidades na 5ª Mostra Ecofalante, que aconteceu em junho, em São Paulo.

“É interessante que esse projeto, mesmo piloto, consegue integrar os três pilares da atuação universitária. No ensino e na pesquisa, por trazer temas que dialogam com o conteúdo dos cursos e projetos, e na extensão, porque faz isso através da arte, em sessões abertas para toda a comunidade”, declara Mariana.

PROGRAMAÇÃO

A primeira sessão acontece na terça-feira, 8/11, na Adunicamp. Haverá exibição do Nação Especulação, às 18h30, seguida de debate com Mariana Fix e Pedro Rossi, também professor do IE. O documentário registra as marcas deixadas pela crise financeira da Espanha, tanto na paisagem e quanto na vida dos cidadãos. Ambientando em “cidades-fantasmas da especulação imobiliária”, acompanha aqueles que perderam a fé no sistema e que agora passaram a se mobilizar.


Na quinta-feira, 10/11, acontecem duas sessões de Favelas: As Cidades do Amanhã, uma às 16h e outra às 19h. A sessão da noite será acompanhada de debate com os professores Sidney Piochi Bernardini (FEC) , Gisela Leonelli (FEC) e José Marcos da Cunha (NEPO).

Jaci: Sete Pecados de uma Obra Amazônica, filme brasileiro premiado na 5ª Mostra Ecofalante, será exibido no dia 22/11, terça-feira. Na Adunicamp, às 14h, a sessão é seguida de debate com Ricardo Antunes (IFCH), Humberto Miranda do Nascimento (IE), Claudio Maciel (IE) e Melissa Ronconi; na Casa do Lago, apenas o filme será exibido, às 18h.

No dia 23/11 Ermínia Maricato (FAU-USP, professora visitante IE) e Ana Carolina Delfim Maciel (Centro de Memória-Unicamp) debatem o filme Desculpe Pelo Transtorno: A História do Bar do Chico, às 14 horas, na Adunicamp. A sessão contará com a presença das professoras Mariana Fix (IE), Gisela Leonelli (FEC), e da pós-doutoranda Beatriz Mioto.  O documentário conta a história de um pescador cujo pequeno bar à beira-mar se tornou o “marco zero” na batalha de uma comunidade em Florianópolis contra o desenvolvimento urbano desenfreado e interesses políticos da especulação imobiliária. Ele também será exibido, no mesmo dia, na Casa do Lago, às 16h e depois às 19h.

A quinta-feira, 24/11, é o dia dos curtas. Auto-Fitness, uma animação alemã de 21 minutos sobre a automatização da vida, e Para Onde Formas as Andorinhas?, filmado no Parque Indígena do Xingu, têm sessões na Casa do Lago, às 14h, e na Adunicamp, às 19h – esta última comentada pelo pesquisador Fernando Macedo.

H2Omx, documentário mexicano sobre a crise da água na Cidade do México, terá duas sessões no dia 29, na Casa do Lago. Laura Bueno (PUCCAMP) e Roberto Luiz do Carmo (NEPO) discutem a sessão das 16h, e depois tem reprise às 19h.

Fechando o circuito temos duas sessões de A Experiência Cecosesola na Casa do Lago, às 14h e às 19h. O filme nos apresenta Cecosesola, uma cooperativa na Venezuela que funciona há maus de 50 anos num sistema de auto-gestão, sem hierarquias, salários iguais e rotatividade de cargos. Atualmente envolve mais de 1200 associados e gere supermercados populares, feiras, transporte, serviços funerários e outras cooperativas. Na sessão das 14h, Luciano Pereira, professor na Faculdade de Educação da Unicamp, e Vitor Hugo Tonin, doutorando no IE, participam do debate com o público.


O circuito é uma realização da ONG Ecofalante, organizado pelo Centro de Estudos do Desenvolvimento Econômico do Instituto de Economia, com apoio do Instituto de Economia, do curso de Arquitetura da FEC-Unicamp, Adunicamp, Casa do Lago, e Unicamp.

Para mais informações, acesse a página da Mostra EcoFalante.

 

Texto produzido com informações da organização do evento.