Prorrogado prazo para submissão de trabalhos Congresso 20 anos

Foi prorrogada para 30 de julho de 2018 a data limite para a submissão de trabalhos ao Simpósio do Congresso Observatório das Metrópoles 20 anos. Marco comemorativo da nossa rede de pesquisa, o evento contará com simpósios organizados a partir de três eixos temáticos: 1) Território; 2) Gestão e governança urbana; e 3) Direito à cidade. Os trabalhos poderão abordar questões como organização do espaço, economia metropolitana, megarregião, gestão das águas, mobilidade urbana, governança metropolitana, empreendedorismo e financeirização urbana, economia solidária, estrutura social e direito à cidade.

A Rede INCT Observatório das Metrópoles realizará o Congresso “As Metrópoles e o Direito à Cidade: dilemas, desafios e esperanças”, no período de 3 a 7 de dezembro de 2018 no Rio de Janeiro. Com o objetivo de construir um espaço de diálogo e reflexão sobre temas urbanos e metropolitanos contemporâneos, o evento reunirá — além de todos os pesquisadores do Observatório, nomes como Neil Brenner, Márcio Pochman, Raquel Rolnik, Ermínia Maricato, Michel Misse, Lena Paulani, Manuel Villaverde Cabral, Ruben Kaztman, Carlos de Matos, Roberto Kant de Lima e Carlos Eduardo Martins.

Durante três dias, o congresso contará com tardes dedicadas às apresentações de trabalhos de pesquisadores internos e externo à rede. Essas sessões serão organizadas em eixos com temas definidos por:

Eixo 1 – Território

Eixo 2 – Gestão e Governança Urbana

Eixo 3 – Direito à Cidade

Para participar dessas sessões, os pesquisadores deverão submeter artigos que serão avaliados pelos coordenadores de cada sessão com trabalhos enquadrados nas temáticas a partir das ementas disponibilizadas, respeitando os formatos e as datas estabelecidas neste edital. O melhor artigo de cada sessão será recomendado pelos coordenadores para veiculação em uma das publicações do Observatório das Metrópoles.

EIXO 01 | TERRITÓRIO

A utilização de uma abordagem que considera a análise da grande escala, o território, precipita questões sobre os padrões atuais de organização territorial e sua capacidade de garantir o desenvolvimento urbano-regional socialmente inclusivo e territorialmente equitativo. Nesse sentido, pretende-se ampliar o debate sobre as dinâmicas de constituição desses espaços, seu poder de articulação e polarização do território nacional, e os novos arranjos espaciais e suas conexões com as transformações de suas bases produtivas estão vinculadas às análises sobre as dinâmicas de estruturação das metrópoles, de produção e reestruturação econômica, social e espacial em curso, dos movimentos migratórios e pendulares e suas implicações na expansão dessas aglomerações.

Sessão 1.1 – Organização do Espaço | 04/12 – 14h00

Sessão 1.2 – Economia Metropolitana | 05/12 – 14h00

Sessão 1.3 – Megarregião | 06/12 – 14h00

EIXO 02 | GESTÃO E GOVERNANÇA URBANA

O estabelecimento de políticas e serviços, assim como o monitoramento da sua implementação, abrange mecanismos e processos diretamente relacionados com as condições institucionais do poder público. A construção dessas condições está fortemente amparada nas coalizões de poder resultantes da articulação política do governo com outros entes públicos e com os demais atores da sociedade – a composição das agendas e interesses atuais tem comprometido o alcance dos direitos coletivos. Nesse sentido, o planejamento e a gestão de cidades ambientalmente e economicamente mais sustentáveis processam-se na participação cidadã, na transparência, na garantia de acesso à informação e na capacidade de resposta das instituições. Considerando, portanto, a estruturação de instituições capazes e responsáveis, a realização da governança urbana imprescinde, ainda, do alinhamento com os direitos humanos para a reversão das desigualdades que assolam atualmente as cidades.

Sessão 2.1 – Gestão das Águas | 04/12 – 14h00

Sessão 2.2 – Mobilidade Urbana | 05/12 – 14h00

Sessão 2.3 – Governança Metropolitana, empreendedorismo e financeirização do urbano | 06/12 – 14h00

EIXO 03 | DIREITO À CIDADE

Assim como definido por Henri Lefebvre (1968), o direito à cidade está assentado na garantia igualitária de utilização das estruturas e espaços públicos das cidades. Os imperativos da economia de mercado têm configurado poderosa ameaça para a efetivação desse direito, impondo um processo de desenvolvimento urbano excludente que resulta em segregações espaciais, sociais e econômicas. Nesse sentido, a realidade de um ambiente urbano digno e amplamente disponível ainda permanece como objeto de luta. A reivindicação desse direito assume formatos que além de questionar o processo de urbanização imposto pelo mercado, também propõem transformações nas suas estruturas, convocando a luta coletiva pela liberdade de recriar as cidades.

Sessão 3.1 – Economia Solidária | 04/12 – 14h00

Sessão 3.2 – Estrutura Social | 05/12 – 14h00

Sessão 3.3 – Direito à Cidade e Habitação | 06/12 – 14h00

Para se inscrever nos simpósios, acesse AQUI.

DATAS IMPORTANTES

30/07/18 – Envio do resumo através do formulário online (clique aqui).

06/09/18 – Resultado dos trabalhos selecionados.

05/11/18 – Envio do artigo completo.

Para mais informações, acesse o site do Congresso Observatório 20 anos.

 

Tags: , , ,