Desenvolvimento urbano-regional e cidades sustentáveis no contexto das regiões metropolitanas nordestinas

A dissertação “Desenvolvimento urbano-regional e cidades sustentáveis no contexto das regiões metropolitanas nordestinas“, de Ana Célia Baía Araújo, avalia o modelo de Cidades Sustentáveis (CS), relacionado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas, no contexto das Regiões Metropolitanas (RMs) de Natal, Fortaleza, Recife e Salvador.

A pesquisa apresenta o Índice de Desenvolvimento Regional e Urbano para Cidades Sustentáveis (IDRUCS), uma ferramenta quantitativa que objetiva diagnosticar como o modelo de CS se coloca diante do contexto de desigualdades e vulnerabilidades socioambientais nas Regiões Metropolitanas Nordestinas – o índice é capaz de relacionar aspectos socioambientais e econômicos dentro da perspectiva de CS para territórios metropolitanos.

Nas conclusões, a autora aponta que as RMs de Fortaleza, Natal, Recife e Salvador apresentaram resultados de médio e baixo desempenho de suas dinâmicas na articulação entre princípios de CS e condições satisfatórias de desenvolvimento urbano e regional. Os resultados do IDRUCS evidenciaram fragilidades da gestão e do planejamento no que se refere à complexidade e interdependência das relações entre ambiente, sociedade e desenvolvimento nas RMs.

Defendida no âmbito do Programa de Pós Graduação em Estudos Urbanos e Regionais (PPEUR) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a tese foi orientada por Zoraide Souza Pessoa, pesquisadora do Observatório das Metrópoles Núcleo Natal.

Confira a apresentação dos principais pontos do trabalho:

A que pergunta a sua pesquisa responde?

As regiões metropolitanas nordestinas tem condições de internalizar princípios de Cidades Sustentáveis (CS) em suas dinâmicas como alternativas estratégicas para suas questões socioambientais e urbano-regionais?

Por que isso é relevante?

A pesquisa construiu o Índice de Desenvolvimento Regional e Urbano para Cidades Sustentáveis (IDRUCS) como ferramenta para diagnosticar como o modelo de Cidades Sustentáveis se coloca diante do contexto de desigualdades e vulnerabilidades socioambientais nas Regiões Metropolitanas de Natal, Fortaleza, Recife e Salvador. A análise de resultados do IDRUCS embasa a discussão da relação entre sociedade, ambiente e desenvolvimento e como esta se torna mais complexa ante aos desafios metropolitanos nordestinos no desenvolvimento urbano e regional.

Qual o resumo da pesquisa?

Natal/RN

Nas cidades metropolitanas, os problemas socioambientais se intensificam e a pressão econômica do desenvolvimento sobre os limitados recursos planetários torna urgente repensar as dinâmicas urbano-regionais. Dentre várias propostas para sanar esses problemas, as Cidades Sustentáveis (CS) dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas vêm se destacando. No Brasil, o contexto de desigualdades e vulnerabilidades socioambientais das Regiões Metropolitanas desafia a internalização de princípios das CS nas dinâmicas metropolitanas. O Índice de Desenvolvimento Regional e Urbano para Cidades Sustentáveis (IDRUCS) foi desenvolvido nesta pesquisa como ferramenta quantitativa para comparar as Regiões Metropolitanas de Fortaleza, Natal, Recife e Salvador no diagnóstico de seus indicadores socioambientais com relação aos aspectos de CS e com o desenvolvimento urbano-regional. A partir dos resultados, observou-se que ainda há muito o que evoluir nas políticas públicas, gestão e planejamento urbanos, e que a internalização dos princípios das CS com a racionalidade ambiental pode constituir uma alternativa ao desenvolvimento urbano-regional vigente e, consequentemente, melhorar o desempenho final no IDRUCS.

Quais foram as conclusões?

Os resultados do IDRUCS possibilitaram uma análise dos problemas históricos nordestinos associados às dimensões do modelo de desenvolvimento adotado no Brasil, constituindo um desafio quase intransponível às propostas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) se não ocorrerem mudanças para melhores condições para o mercado de trabalho e para a gestão ambiental e de riscos nas grandes cidades, principalmente nas que vivem no contexto acentuado de desigualdades como as nordestinas. As Regiões Metropolitanas de Fortaleza, Natal, Recife e Salvador apresentaram resultados de médio e baixo desempenho de suas dinâmicas na articulação entre princípios de CS e condições satisfatórias de desenvolvimento urbano e regional. O IDRUCS mostrou-se capaz de relacionar aspectos socioambientais e econômicos dentro da perspectiva de CS para territórios metropolitanos e seus resultados evidenciaram fragilidades da gestão e planejamentos que compreendam a complexidade e interdependência das relações entre ambiente, sociedade e desenvolvimento nas Regiões Metropolitanas.

Quem deveria conhecer seus resultados?

Compreende-se o IDRUCS pode ser útil a sociedade, pesquisadores, estudantes e gestores públicos que trabalhem com indicadores e índices socioambientais. Nesta pesquisa, o IDRUCS sintetiza a realidade nordestina através da relação entre as Cidades Sustentáveis e o desenvolvimento urbano-regional, podendo ser interessante como subsídio para tomada de decisões e elaboração de políticas públicas e a todos e todas ligados às temáticas afins de meio ambiente, urbano, regional e desenvolvimento.

Confira o trabalho completo, CLIQUE AQUI.

 

Tags: , , , , , , , , ,