Iniciação Científica do Observatório é premiada

By 30/11/2012janeiro 18th, 2018Notícias, Publicações

Bolsistas do INCT Observatório das Metrópoles foram premiados na Jornada de Iniciação Científica da UFRJ 2012 e na XVIII Semana PUR. As pesquisas abordam temas como a geografia de oportunidades escolares na região da Baixada Fluminense; a localização e provisão de infraestrutura em conjuntos habitacionais; e o monitoramento do Programa Minha Casa Minha Vida na cidade do Rio de Janeiro, a partir do estudo de caso do Residencial Málaga Garden, localizado na Avenida Brasil. Os resultados reforçam o trabalho que o Observatório vem realizando na formação de novos pesquisadores capazes para investigar e refletir sobre o tema urbano.

O trabalho “O Residencial Málaga Garden: um panorama e acompanhamento do Programa Minha Casa Minha Vida na cidade do Rio de Janeiro”, de Décio Rodrigues Nunes Júnior, foi premiado com o 1º lugar entre os pôsteres da Semana PUR 2012. O estudo, inserido no projeto “Entre a política e o mercado: desigualdades, exclusão social e produção da moradia popular na Região Metropolitana do Rio de Janeiro” desenvolvida pelo Grupo de Trabalho Moradia e Cidade do INCT Observatório das Metrópoles, buscou compreender os impactos do programa federal MCMV durante o seu processo de implementação na cidade do Rio a partir de um de seus empreendimentos pioneiros; no caso o Residencial Málaga Garden, localizado na Avenida Brasil, nº 49.101, na parte limítrofe do bairro de Campo Grande.

“Para constituir um panorama dos impactos do PMCMV no empreendimento selecionado, foram realizadas visitas de campo in loco em duas oportunidades distintas: em agosto de 2010 e julho e agosto de 2012, a fim de analisar: a forma de acesso, a satisfação dos moradores, o perfil socioeconômico, a influência da localização e a relação do condomínio com o seu entorno imediato”, explica Décio que completa:

“O Residencial Málaga Garden, ocupado em abril de 2010, foi um dos primeiros empreendimentos entregues pelo Programa Minha Casa Minha Vida na cidade do Rio de Janeiro, onde todas as etapas vencidas se desenvolveram sob os auspícios deste Programa. Tomando-se o empreendimento como modelo, pode-se reafirmar os impactos do Programa Minha Casa Minha Vida na formação de uma nova ordem social na cidade e na mentalidade dos moradores, extraindo-se seus atrativos (facilidade de financiamento) e fragilidades – entre elas a padronização tipológica e o exíguo espaço destinado a cada moradia”.

Infraestrutura dos conjuntos habitacionais

O trabalho “Dize-me onde moras e te direi quem és: sobre Localização e Provisão de Infraestrutura em Conjuntos Habitacionais da Região Metropolitana do Rio de Janeiro”, do pesquisador Nathan Ferreira da Silva também vinculado ao GT Moradia e Cidade, recebeu menção honrosa no JIC UFRJ 2012. O estudo tem como objetivo observar a influência da localização de conjuntos habitacionais e como esta inserção na malha urbana afeta direta ou indiretamente ao público beneficiado por estes empreendimentos e suas respectivas políticas habitacionais, considerando as condições sociais e de moradia no âmbito da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

“O procedimento metodológico usado na pesquisa foi a seleção de conjuntos habitacionais cujos limites coincidam com um ou mais setores censitários, de modo a utilizar os dados do Censo Demográfico 2010 para análise dos conjuntos escolhidos, além de algumas das variáveis já disponibilizadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), tais como: quantidade e tipos de domicílios, renda, número de moradores e a média destes por domicílio, abastecimento de água, fornecimento de energia e domicílios com banheiro”, afirma Nathan.

Segundo ele, a análise de conjuntos habitacionais, selecionados a partir do banco de dados georreferenciado e elaborado na pesquisa a qual o trabalho se insere, permitiu identificar possíveis influências da localização sobre as condições sociais da população ali residente.

Geografia de oportunidades escolares

Já o trabalho “A Geografia de Oportunidades Escolares: infraestrutura urbana e desempenho escolar no município de Duque de Caxias”, dos pesquisadores Juliane dos Santos Lira e João Luis Nery, recebeu menção honrosa na Jornada de Iniciação Científica 2012 da UFRJ como um das melhores pesquisas apresentadas. O estudo orientado pelos professores Luiz Cesar Ribeiro e Mariane Koslinski faz parte dos resultados da metodologia de geocodificação utilizada nas investigações do projeto Observatório Educação e Cidades, realizado a partir da parceria entre Observatório das Metrópoles (IPPUR/UFRJ), a Faculdade de Educação da UFRJ e o Departamento de Educação da PUC Rio.

Segundo Juliane dos Santos Lira, o trabalho de IC buscou analisar as desigualdades de oportunidades educacionais na rede de educação básica, pública e privada, da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. “Uma etapa fundamental da pesquisa é a geocodificação das unidades escolares através da espacialização dos endereços vem se consolidando como uma ferramenta fundamental para os estudos que relacionam território, segregação sócio-espacial e desempenho escolar”, explica.

Objetivou-se ainda o levantamento da localização das escolas segundo a infraestrutura social do território (medido pelo Índice de Bem-Estar Urbano Local) e sua relação com os índices de aproveitamento e desempenho escolar nas provas estaduais e nacionais. De acordo com a pesquisadora, o trabalho visou a elaboração de um estudo de caso do município de Duque de Caxias, a partir dos resultados obtidos na pesquisa no ano de 2011, colocando em evidência as deficiências da educação num dos municípios mais importantes do estado do Rio de Janeiro.

Última modificação em 30-11-2012 12:18:08