Pesquisadoras do Observatório das Metrópoles Núcleo Fortaleza, Adryane Gorayeb e Maria Elisa Zanella coordenaram um mapeamento participativo dos casos suspeitos e confirmados de coronavírus (COVID-19) em Fortaleza.

Desenvolvido no âmbito do Laboratório de Geoprocessamento e Cartografia Social (LABOCART) da Universidade Federal do Ceará (UFC), o mapeamento analisou 12 mil respostas dos moradores, obtidas por meio do preenchimento de questionário online, no período de 8 a 10 de abril de 2020.

Segundo os dados preliminares da pesquisa, 97,5% dos participantes consideram o isolamento social importante no combate à disseminação da COVID-19. Quanto ao nível de cumprimento das medidas de isolamento, 31% dos participantes informaram que nem todos que moram na sua residência estão cumprindo o isolamento social. Dentre as principais motivações para o não cumprimento, os participantes apontaram: 1) Realizar atividades remuneradas (trabalho formal ou informal), 2) Comprar alimentos, remédios e pagar contas e 3) Não considerar o isolamento importante para conter o coronavírus.

Nuvem contendo 100 palavras que abordam respostas referentes aos “motivos para sair do isolamento social”.

Outros dados do mapeamento incluem o casos suspeitos e confirmados de COVID-19 no município e por bairro, além das pessoas no grupo de risco.

Todas as informações sobre o mapeamento estão disponíveis na página do LABOCART: www.labocart.ufc.br

Conheça também as iniciativas da pesquisa em outras regiões do Ceará e estados do Nordeste: