A dissertação “Mudanças residenciais e comerciais: um estudo sobre processos de renovação urbana no bairro Anchieta, Belo Horizonte“, de Lívia Matos Lara de Assis (pesquisadora do Núcleo Belo Horizonte), analisa as mudanças nas dinâmicas residenciais e comerciais do Anchieta, bairro localizado na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

A pesquisa investiga se as mudanças ocorridas nas dinâmicas residenciais e comerciais do bairro configuram, respectivamente, uma gentrificação por nova construção e uma gentrificação comercial. Para isso, analisa dados secundários, como o cadastro do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e o cadastro do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), além de entrevistas com moradores e comerciantes.

Contraste da paisagem do Anchieta (Belo Horizonte). Foto: Luciana Andrade (2019).

O trabalho aborda um tipo de gentrificação que ocorre pela construção de novas edificações, que atraem os estratos mais altos da classe média, ao invés do tipo clássico que se caracteriza pela valorização do patrimônio. Nas conclusões, a autora aponta que a hipótese de que o bairro está passando por esse tipo de gentrificação se confirma, além de ser possível inferir que há uma dinâmica em ocorrência na região Centro-Sul, cuja tendência é uma elitização ainda maior dessa área da cidade – tornando-a ainda mais segregada.

Defendida no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUC Minas, a dissertação foi orientada por Luciana Teixeira de Andrade, coordenadora do Observatório das Metrópoles Núcleo Belo Horizonte.

Confira a apresentação dos principais pontos do trabalho:

A que pergunta a sua pesquisa responde?

As mudanças ocorridas nas dinâmicas residenciais e comerciais do Anchieta configuram, respectivamente, uma gentrificação por nova construção e uma gentrificação comercial?

Por que isso é relevante?

O fenômeno analisado ocorre em uma área que, historicamente, já é elitizada e diferentemente dos casos analisados na literatura nacional, o principal fomentador do processo é o mercado imobiliário e não o Estado. Ademais, utiliza-se fontes de dados secundários ainda pouco explorados nos estudos do tema, como os cadastros do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI).

Qual o resumo da pesquisa?

O objetivo da dissertação é analisar as mudanças nas dinâmicas residenciais e comerciais do Anchieta. Localizado na região Centro-Sul de Belo Horizonte, caracterizada pela forte presença dos estratos médios, esse bairro tem passado por um processo de renovação urbana que aqui será analisado à luz do conceito de gentrificação. Tal fenômeno urbano consiste na entrada, em um determinado território, de um grupo social com status superior aos que lá residem, de forma a provocar a expulsão desses últimos. A partir do trabalho de dados secundários como o cadastro do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e o cadastro do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), assim como a realização de entrevistas com moradores e comerciantes, buscou-se verificar se a renovação urbana do Anchieta consiste, de fato, numa gentrificação e quais os impactos de tal processo para quem reside, trabalha e investe no bairro. Diferentemente dos demais estudos nacionais sobre o tema, essa pesquisa aborda um tipo de gentrificação que ocorre pela construção de novas edificações, que atraem os estratos mais altos da classe média, ao invés do tipo clássico que se caracteriza pela valorização do patrimônio.

Quais foram as conclusões?

Por meio do trabalho dos dados cadastrais do IPTU e do ITBI, foram elaborados mapas que, além de permitirem a espacialização dos imóveis do Anchieta e a comparação das mudanças nos padrões de acabamento dos imóveis construídos nos últimos anos, corroboraram a hipótese de que o bairro está passando por um processo simultâneo de gentrificação por nova construção e gentrificação comercial. Tais processos se retroalimentam, e são fomentados principalmente pelo setor privado, haja vista que a legislação permissiva do bairro não apresenta grandes empecilhos para a atuação deste. De maneira geral, o processo em vigência corresponde a uma dinâmica em ocorrência na região Centro-Sul, na qual a tendência é uma elitização ainda maior dessa área da cidade – tornando-a ainda mais segregada.

Quem deveria conhecer seus resultados?

A pesquisa é relevante para quem estuda processos de renovação urbana, principalmente os que configuram gentrificação, bem como para quem trabalha com temas como segregação socioespacial.

Confira o trabalho completo, CLIQUE AQUI.